Páginas

16.4.12

Santos Dumont o padrinho das Cataratas

Equilibrado sobre um tronco de árvore cheio de limo, Santos Dumont cruzou os braços e ficou admirando a paisagem. A poucos metros dele, seu anfitrião prendeu a respiração. Abaixo do tronco havia um abismo: o Salto Floriano, nas Cataratas do Iguaçu. Notando o pavor nos olhos do acompanhante, o aviador tratou de tranquiliza-lo com uma frase que ficaria famosa: “As alturas não me perturbam, não se preocupe”. Fonte: http://www.revistadehistoria.com.br

Mas o que o pai da aviação tem a ver com as Cataratas do Iguaçu?



Quem visita as Cataratas percebe durante o trajeto, uma estátua do famoso aviador mineiro Alberto Santos Dumont, muitos turistas posam para fotos e se divertem ao lado do inventor, mas poucos desconfiam a importância deste personagem para  o Parque Nacional do Iguaçu. Vamos entender essa história:

No início do século 20, as Cataratas do Iguaçu faziam parte das propriedades do fazendeiro uruguaio Jesus Val, entretanto, uma visita inesperada mudaria o rumo da história do turismo em Foz do Iguaçu.

Em uma de suas inúmeras viagens, Alberto Santos Dumont, chega à Foz do Iguaçu em abril de 1916 a convite da comunidade local, onde conhece as famosas quedas e nosso principal cartão postal, as Cataratas do Iguaçu, encantado com a paisagem magnífica, decepciona-se ao saber que tal maravilha pertencia a um único dono, decidido a fazer com que todos pudessem ter acesso a paisagem,  reinvidicou junto ao governador do Estado do Paraná, Affonso Alves de Camargo,  a expropriação da área e abertura para visitação pública, seu pedido foi acatado três meses mais tarde, entretanto, o parque Nacional do Iguaçu foi criado apenas em 1939.

Graças a iniciativa desse visionário, hoje, o Parque Nacional do Iguaçu recebe mais de um milhão de turistas por ano. Em uma justa homenagem, foi construída uma estátua de bronze do aviador em um local onde todos visitantes podem ver e admirar a figura deste grande brasileiro que se apaixonou pela nossa Maravilha.   





Por: Poliana Corrêa - @Polilhama